Barcelona em Open Source até 2019

O Município de Barcelona rompe com o software proprietário numa mudança para alternativas open source

O Município de Barcelona rompe com o software proprietário numa mudança para alternativas open source

A cidade de Barcelona planeia investir 70% do seu orçamento anual para software em alternativas open source que incluem Linux, Libre Office e Open Xchange, com o objectivo de total migração para a primavera de 2019.

Na publicação EL País, Francesca Bria, Comissária para a Inovação Digital do Município de Barcelona, dá vários exemplos das mudanças inerentes nesta implementação do software open source. Conta ainda que a presença do software proprietário nos computadores municipais seja reduzida ainda antes de concluir o seu mandato.

Através desta iniciativa o Munícipo pretende reduzir os seus gastos em licenciamento de software e a dependência dos fornecedores proprietários com contratos de décadas na cidade.

Esta mudança trará também um maior investimento nas PME locais, pela contratação dos seus serviços, tal como a contratação de 65 novos funcionários para a área de desenvolvimento.

Um dos projectos em desenvolvimento será uma plataforma de mercado digital online que irá permitir que as pequenas empresas participem nos concursos públicos.

De acordo com Francesca Bria, o software open source escrito em Barcelona será disponibilizado para outros municípios e organismos públicos espanhóis mais próximos, dando-lhes a oportunidade de economizar nas licenças de software e aproveitar os desenvolvimentos realizados já neste Município.

O objetivo é garantir a “soberania tecnológica”.

Barcelona nomeará um comissário de proteção de dados em janeiro

A comunicação entre aplicativos será facilitada pela implementação do código aberto. Este factor torna mais fácil a criação de grandes bases de dados (Big Data), que a Câmara Municipal avalia como conhecimento fundamental.

Ver as variáveis de tráfego em tempo real e tirar conclusões do histórico ou ter em um mapa com as casas que estão desabitadas são alguns exemplos que Francesca Bria sobre o que ela chama de “inteligência coletiva”.

Outro projecto a ser trabalhado pelo Município será a centralização destes fluxos com a criação de uma aplicação avaliativa para a gestão municipal. O objectivo desta aplicação, que se prevê estar pronta no final de 2018, será centralizar num monitor os principais indicadores da cidade e optimizar o processo de decisão.

No seguimento destes projectos e objectivos, o Munícpio prevê nomear um Comissário para a Proteção de Dados este mês.
A comissária da Inovação assegura que a segurança dos sistemas municipais não será ameaçada com esta mudança. Para a proteção da privacidade, está a ser trabalhada uma nova iniciativa em conjunto com Amesterdão para a criação de uma pasta privada para cada cidadão. Nela serão colocados todos os dados que a Câmara Municipal possui da pessoa. O objetivo é garantir, conclui Francesca Bria, a “soberania tecnológica”.

Mais informações:

El País :

https://elpais.com/ccaa/2017/12/01/catalunya/1512145439_132556.html

Ayuntamento de Barcelona:

http://ajuntament.barcelona.cat/es/

Open Xchange:

https://www.open-xchange.com/

IT FOSS

https://itsfoss.com/barcelona-open-source/

Related Posts